InovaçãoAPI

API economy: o que é e como ela impulsiona a digitalização dos negócios

A transformação digital mudou de uma vez por todas o papel da tecnologia dentro das empresas. Inovações constantes acontecem com produtos, processos, serviços e operações. Hoje o fator mais importante dentro de cada negócio é o potencial de mudança que uma empresa consegue desenvolver.

Uma pesquisa divulgada pela Brasscom revelou que tecnologias de transformação digital devem movimentar cerca de R$ 250 bilhões até 2021 no País. E apenas uma entre cada quatro empresas brasileiras alcançou um nível superior de maturidade quanto à transformação digital, segundo a pesquisa “Prioridades dos Executivos de TIC brasileiros para Transformação Digital”, realizada pela Softex.

A mensagem é clara: as disrupções determinam quem vai vencer os concorrentes e quem será ultrapassado.

Uma das maneiras utilizadas por essas empresas para conectar-se com o futuro e impulsionar os negócios é a utilização de APIs (Application Programming Interfaces). Sua relevância para os negócios se tornou tão grande, que gerou o movimento chamado de API economy ou economia de API.

Quer saber mais sobre o assunto e como sua empresa pode fazer parte desse movimento? Prossiga a leitura deste post.


O que é API economy?

Até algum tempo atrás as APIs eram utilizadas por profissionais de tecnologia que buscavam resolver problemas de interface, conectividade e compartilhamento de dados em software incompatíveis. E o mais importante: independente da plataforma ou estrutura de dados.

Essa capacidade inovadora despertou a percepção de que as APIs na verdade podem ser um componente crítico na construção de novas soluções capazes de impactar os resultados operacionais e a inovação de uma empresa. Isso, por sua vez, criou a economia da API, que pode ser definida como a maneira como as APIs podem afetar positivamente a lucratividade de uma organização.

É um caminho para a criação de novas soluções, serviços e produtos focados no usuário. Ainda mais apoiado pela evolução de tecnologias de transformação digital que podem ser utilizadas também para gerar mais resultados:


  • Computação em nuvem;
  • Big Data;
  • Internet das Coisas;
  • Inteligência Artificial;
  • Mídias sociais, entre outras.

Como a economia de API é capaz de impactar os negócios

Tecnicamente, as APIs são interfaces de comunicação entre software. E na API economy essas interfaces passam a criar valor, pois funcionam como integradores digitais que ligam serviços, aplicativos e sistemas.

Isso permite que as empresas utilizem ao máximo seus dados e de seus agentes para criar experiência melhores para os clientes e, assim, encontrar novas oportunidades de renda na economia digital.

O aumento crescente de dados deixados pelos consumidores na internet faz dela uma plataforma de relacionamento repleta de informações, disponíveis para serem capturadas por meio das APIs e transformadas em diferencial competitivo. Seja para o desenvolvimento de um novo produto ou na evolução de um produto ou serviço já existente.

Veja abaixo 6 vantagens da API economy para os negócios:


  1. Expandir a empresa;
  2. Possibilitar ‘sair da caixa’ ao utilizar processos inovadores;
  3. Identificar e conquistar novos e potenciais clientes;
  4. Transformar o departamento de TI (Tecnologia da Informação) em um setor estratégico;
  5. Ter acesso a novas informações sobre o público-alvo, sendo capaz de antecipar seus desejos;
  6. Ampliar o alcance de produtos e serviços.

Se sua empresa já enxerga as APIs além de apenas um recurso técnico de conexão parabéns!

Ela está um passo à frente de grande parte do mercado, como apurado pela pesquisa da Softex mostrada no início desse texto. Mas se não, corra! Não há tempo a perder, faz toda a diferença tê-las como um ativo de valor estratégico.


Como fazer para estar na API economy?

Para criar a cultura de economia de API você pode começar aos poucos, mas ter foco estratégico e apoio de outros setores da empresa, como a alta direção, será fundamental.

Seu pensamento - e seus investimentos - devem ser destinados a criar produtos ou serviços super alinhados com as necessidades imediatas do mercado. Além, é claro, de considerar como premissa a conexão (ou integração, por isso a importância da APIs) com outras áreas da empresa e, principalmente, com agentes externos a sua organização.

Na prática há 3 passos que ajudarão o time a obter valor dos investimentos em APIs:

1- Comece pequeno, mas projete escalabilidade

• Considere o desenvolvimento de APIs internas como provas iniciais de conceito;

• Defina metas realistas para sua estratégia de adoção da API. Reconheça que, embora muitas APIs públicas tenham sido bem-sucedidas, outras não o são;

• Identifique consumidores qualificados com os quais as APIs podem ser testadas e aumentadas rapidamente se forem bem-sucedidas.

2- Reconheça possíveis fontes de valor das APIs

• Localize áreas na cadeia de valor onde uma conectividade mais contínua agregue valor à organização;

• Determine quais combinações de funcionalidade ou fontes de dados são valiosas quando expostas a partes internas ou externas;

• Identifique parceiros internos e externos cujas capacidades exclusivas devem ser combinadas para oferecer novas proposições de mercado.

3- Desenvolva um caso de negócios

• Descreva claramente as metas de negócios da sua empresa que vão impulsionar a criação ou o consumo das APIs;

• Examine modelos de negócios e estratégias de monetização que atendam às necessidades de seus públicos-alvo e requisitos internos;

• Avalie sua infraestrutura de TI existente para entender os requisitos técnicos associados ao desenvolvimento de APIs e suporte contínuo.

Deu para perceber que a partir de uma estratégia de API economy bem elaborada é possível construir, conectar e reconfigurar mais rapidamente seus negócios. Quanto mais madura e bem executada for sua utilização, mais flexível e adaptável às mudanças de mercado será sua empresa.

Mergulhe ainda mais fundo no mundo das APIs. Conheça, nesse post, seu conceito e também bem-sucedidos de uso!