InovaçãoIoTInsurtechs

Como a IoT tem ajudado o setor de healthcare?

Desde que o uso do termo transformação digital se popularizou, as tecnologias emergentes têm estado em pauta, assim como seus inúmeros usos nos mais diversos segmentos econômicos.

A IoT, por exemplo, tem causado grandes disrupturas quando usada no setor de healthcare. Esta tecnologia, composta de pequenos dispositivos de computação com IDs exclusivos conectados por meio de uma rede, tem sido utilizada para monitorar temperatura, fluxo de ar, dispositivos médicos, entrada e saída de pacientes, entre outros. 

De acordo com esta pesquisa do Gartner, em uma entrevista feita com 511 gerentes de TI do setor de healthcare, 86% relataram possuir uma arquitetura de IoT para a maioria das linhas de negócio. 

A seguir, vamos discutir os seus diferentes usos no ecossistema de cuidados da saúde e como esta tecnologia tem sido importante para inovar as estruturas médicas. Continue a leitura!

Uso de IoT nos dispositivos médicos e wearables 

Uma das áreas com potencial de crescimento de implantação da Internet das Coisas em healthcare é o monitoramento da infraestrutura das unidades de saúde. No entanto, este é apenas um dos usos que tem trazido benefícios. 

Esta tecnologia ainda tem sido usada em lâmpadas inteligentes e sensores de movimento nos corredores e salas, com possibilidade de funcionamento mesmo com ausência de funcionários. 

Além disso, pulseiras de admissão com chips em IoT comunicam a localização do paciente em tempo real e rastreiam os recém-nascidos ajudando a impedir roubos de bebês. 

Já na luta contra a COVID-19, ainda não se sabe bem como a crise irá impactar o uso da IoT. Porém, segundo a Juniper Research, a tecnologia tem sido útil no monitoramento remoto para minimizar as interações públicas.

É claro que estas diferentes utilizações da IoT no setor de healthcare são importantes, mas o uso com mais potencial disruptivo até agora são nos dispositivos médicos, sobretudo nos wearables

Atualmente, estes sistemas já conseguem monitorar sinais vitais, marcapassos e taxas de glicose. Os dados são coletados por meio da telemetria e enviados automaticamente para o prontuário médico eletrônico do paciente e podem ser usados por um profissional para diagnóstico e tratamento mais precisos.

No futuro, espera-se que wearables como o Apple Watch e o Fitbit, usados em conjunto com aplicativos de saúde, sejam um dos mercados mais lucrativos para o setor. 

Além disso, segundo o Gartner, os dispositivos de IoT usados ​​por hospitais e pacientes crescerão exponencialmente nos próximos oito a dez anos para os seguintes fins:

  • Monitoramento remoto de condições crônicas;
  • Serviços de assistência a idosos e instalações de vida; 
  • Monitoramento de pacientes não urgentes, para que evitem idas ao pronto-socorro, reduzindo internações hospitalares caras e desnecessárias; 
  • Possibilitar a vida assistida por tecnologia em casa ou no local preferido do paciente; 
  • Melhorar os resultados dos pacientes a medida que eles se movem livremente;
  • Reduzir o estoque de equipamentos necessários nos prestadores de serviços de saúde. 

Vantagens de investir numa rede completa de IoT em healthcare 

As tecnologias de IoT são frequentemente integradas a um ou mais aplicativos para fornecer uma função específica, como monitoramento clínico de pacientes internados. Porém, mais importante do que usar um único sensor de IoT, é entender as vantagens de investir numa rede completa. Listaremos as principais a seguir: 

  • Fornecimento de termos de dados de tendências históricas das instalações; 
  • Gerenciamento de dados coletados de ar condicionado, aquecimento ou fluxo de água de todo o edifício;
  • Termostatos inteligentes com capacidade de medir temperaturas em todo o edifício, com registro de data e hora;
  • Monitoramento remoto que fornece uma imagem muito mais precisa da condição médica de um paciente ao longo do tempo em comparação com um exame médico.

Quanto mais dispositivos em IoT forem usados dentro de um hospital, mais dados são incorporados e novos insights podem mostrar tudo o que está acontecendo dentro dele. Ou seja, o futuro da saúde só tem a ganhar com o monitoramento amplo das instituições. 

Desafios do uso de IoT para a área de healthcare 

Enquanto a IoT está proliferando no setor de saúde para uma infinidade de usos, a segurança dos dados coletados a partir desses dispositivos continua sendo uma preocupação.

Para que esses dispositivos médicos forneçam os dados adequados, é necessário que estejam em contato com os históricos dos pacientes. Ou seja, para armazenar as informações de identificação de alguém no dispositivo, é necessário garantir a proteção contra cibercriminosos, porque essas são informações potencialmente valiosas para o crime cibernético.

Os hospitais que usam monitores de saúde precisam utilizar todos os meios para impedir vazamento de dados e invasão de hackers. Os monitores estão conectados às redes hospitalares e podem ser usados ​​como ponto de entrada que leva até outros locais, como registros médicos ou gestão administrativa e contábil. 

Para enfrentar os desafios de segurança e conformidade que acompanham os projetos de IoT, as organizações de assistência à saúde devem se vincular aos projetos com as práticas de governança mais atualizadas disponíveis. 

Embora a IoT seja um tipo diferente de extremidade ou ponto final em uma rede clínica, ela ainda deve estar em conformidade com as políticas e procedimentos atuais de segurança e privacidade exigidos por lei.

Outra grande dificuldade gira em torno das legislações. Atualmente não existem leis regulamentando o que os fabricantes de dispositivos médicos precisam colocar em prática como forma de segurança cibernética. É claro que existem algumas orientações sobre o assunto, mas nenhum tipo de punição para quem não as cumpre. 

Como você pode conferir no post, o uso de IoT em healthcare é muito benéfico e amplo e um grande passo para a digitalização da área. Para conferir mais novidades sobre transformação digital, acesse os Trends da GR1D Insurance.