InovaçãoAIBig DataSeguros

Gerenciamento de riscos: como usar a IA e o Big Data?

O movimento de transformação digital ganha cada vez mais velocidade, impactando na gestão dos negócios de vários segmentos. De acordo com o Gartner, os investimentos na digitalização dos processos, por meio da adoção de ferramentas disruptivas, podem chegar a até US$ 3,9 trilhões no ano de 2020.

O mercado segurador não poderia ficar de fora deste movimento. Corretoras, insurtechs e companhias de seguros vêm investindo na adoção de mecanismos tecnológicos. Com o uso deles, é possível otimizar uma série de atividades e processos, que melhoram o planejamento e a gestão de uma empresa. 

Neste contexto, a Inteligência Artificial (IA) e o Big Data se destacam como ferramentas indicadas para otimizar os processos da gestão de riscos. 

Aliás, priorizar o gerenciamento de riscos é investir na sustentabilidade do negócio. Afinal, somente assim é possível detectar situações que podem gerar problemas, bem como proteger a seguradora de perdas.

Neste post, vamos mostrar a importância de incorporar a Inteligência Artificial e o Big Data na sua estratégia de gerenciamento de riscos.

Avance na leitura do texto!

A importância da IA Big Data para o setor de seguros

Além de proporcionar a digitalização do negócio das seguradoras, o uso das tecnologias disruptivas pode otimizar estratégias importantes como o gerenciamento de riscos.

Já pensou em ganhar mais agilidade e segurança no processo de subscrição do seguro? Com a Inteligência Artificial você pode. 

A tecnologia permite, por exemplo, simplificar a avaliação de riscos, otimizando o tempo de contratação do seguro. Isso porque ao automatizar as etapas, usando a IA e o Big Data, a presença do profissional para vistoria deixa de ser uma obrigatoriedade. 

Assim, a seguradora otimiza seus recursos, agiliza o processo de vendas e entrega valor para o cliente. Afinal, a contratação se torna muito mais simples e prática.

Desse modo, ao melhorar a experiência do usuário, você investe na retenção de clientes e facilita a conquista de novos. 

Além disso, como o Big Data gera dados abundantes ele também está permitindo que seguradoras desempenhem um papel de maior destaque na função de gerenciamento de riscos. A companhia pode, por exemplo, usar a modelagem preditiva para mapear possíveis problemas com base nos dados do cliente e, desse modo, definir sua classe de risco.

Vale destacar que o uso dos dados do Big Data pode ser facilitado pelo processamento de linguagem e pela Inteligência Artificial.  São essas ferramentas que auxiliam na análise das grandes quantidades de informações recebidas.

Como a IA e Big Data podem ajudar no gerenciamento de riscos

Muito além de proporcionar a melhoria da experiência do cliente, a Inteligência Artificial e o Big Data fortalecem o ecossistema de gerenciamento de riscos das seguradoras e insurtechs. Usando as ferramentas disruptivas, é possível prevenir situações problemáticas, evitar dores de cabeça e, principalmente, prejuízos financeiros.

Em particular, a IA viabiliza a construção de sistemas de avaliação de risco mais poderosos, já que permite a realização de uma abordagem mais granular e análises prospectivas. 

Além disso, a Inteligência Artificial faz uso de dados internos e externos. Ou seja, trabalha com o apoio do Big data entregando uma avaliação mais precisa dos riscos.

A Inteligência Artificial, por exemplo, pode agilizar processos de sinistros, permitindo, inclusive, a comunicação entre a seguradora e a delegacia. De tal modo que, com o registro do boletim de ocorrência integrado ao sistema da companhia, é possível otimizar as etapas de acionamento do seguro.

Já o Big Data, aplicado em conjunto com a IA, permite, com base nos dados adquiridos, comparar os dados de um cliente com perfis fraudulentos anteriores. Com isso, é possível identificar casos que requeiram mais investigação e realizar um acompanhamento da análise e do comportamento do segurado.

Além disso, a tecnologia pode ser usada para analisar dados de reclamações e tirar conclusões sobre se os modelos de subscrição ou de gerenciamento de riscos estão funcionando de maneira eficaz.

De outro modo, tanto o Big Data quanto a Inteligência Artificial devem otimizar o processo decisório, permitindo que os gerentes de risco tomem decisões mais embasadas e rápidas.

Case de gerenciamento de riscos com IA, Big Data e IoT

É fato que a IA aliada a outras ferramentas disruptivas irá transformar toda a cadeia de valor dos seguros. Isso porque a tecnologia melhora e expande estratégias de distribuição, bem como fornece agilidade para que as seguradoras desenvolvam produtos contra novos tipos de risco.

Uma seguradora que adota a Inteligência Artificial, o Big Data e a IoT como instrumentos de gerenciamento de riscos pode utilizar essas ferramentas para rastrear objetos e assegurar a entrega ao destinatário.

Foi exatamente isso que a companhia de seguros AXA XL fez. Ela instalou os sensores nos contêineres de transporte de um segurado e reduziu sua taxa de perda de 180% para 80%.

Isso foi possível porque os sensores instalados com a carga medem os níveis de temperatura, umidade, luz e choque. Ou seja, fornecem aos gerentes de risco e seguradoras dados sobre o que acontece com a carga sensível durante o transporte.

A questão principal é que as novas tecnologias estão se aprimorando principalmente para processos como os de gerenciamento de riscos e se tornando os mecanismos mais adequados para um planejamento conciso e seguro de sua empresa.

Sem dúvida, as novas tecnologias vêm para complementar o gerenciamento de riscos tradicional, viabilizando a conquista de resultados mais positivos, bem como minimizando as perdas das seguradoras. 

Quer saber mais sobre o uso de novas tecnologias no mercado segurador? Continue acompanhando o Trends.