Open InsuranceInovaçãoAPI

Gestão de APIs: conheça as 8 melhores práticas

Em um cenário de transformação digital, desenvolver uma estratégia de APIs é um desafio complexo, que requer atenção a uma série de aspectos e pré-requisitos importantes. Contudo, tão importante quanto definir esse escopo é conduzir a execução desta estratégia e monitorar o sucesso das APIs

Por isso, pensar em boas práticas de gestão das interfaces de aplicação é necessário. Afinal, são elas que permitem a integração de sistemas

Você já observou quais tipos resultados vêm obtendo com o gerenciamento de APIs adotado pela organização? Esse tipo de análise pode levá-lo a identificar os aspectos que impedem o sucesso da sua estratégia.

Quer saber quais são as melhores práticas em APIs e como incorporá-las na sua organização? Avance na leitura deste post!

#1 Planeje um ROI positivo

Para conduzir uma estratégia de APIs com sucesso, você precisa investir em uma infraestrutura de TI moderna com capacidade suficiente para cobrir qualquer tipo de projeto. 

Somente com um conjunto de recursos adequado é possível melhorar a eficiência e eficácia da integração de sistemas, reduzindo custos e aumentando o potencial retorno dos investimentos.

Além disso, outra iniciativa fundamental é manter um time de profissionais que estejam alinhados à estratégia de APIs e sejam capazes de visualizar o valor potencial que elas podem oferecer. Desse modo, tanto os desenvolvedores quanto os executivos envolvidos tendem a acreditar nelas e se engajar nos projetos e iniciativas, contribuindo para um ROI positivo.

#2 Crie governança de TI

A governança em TI é a estratégia que garante o equilíbrio dos processos e projetos. Trata-se da prática que orienta a supervisão de projetos, funções e orçamentos a partir da definição de parâmetros claros. 

Portanto, você precisa investir em um processo de governança suficiente para garantir o controle do fluxo de trabalho na medida certa, sem que esse acompanhamento torne a criação de produtos ou a entrega de serviços mais lentas.

Neste sentido, uma das alternativas é criar um amplo catálogo de API e torná-lo

acessível por meio de um portal de API de autoatendimento. Desse modo, você passa a usar a plataforma para compartilhar as melhores práticas, códigos amostras e recursos com os colaboradores internos, a comunidade de desenvolvedores e os demais parceiros.

O marketplace da GR1D tem esse proposta: reunir em um só lugar as melhores APIs do mercado de seguros, tornando-as acessíveis a qualquer hora e otimizando os projetos das seguradoras.  

#3 Use a nuvem para gestão de APIs

Para tornar a estratégia de APIs mais eficaz e assertiva, você precisa agrupar aplicativos no local de modo que cada API consiga conversar rapidamente com o mundo exterior, enquanto permanece rodando em infraestrutura e arquiteturas de TI tradicionais. 

Isso porque, embora muitas APIs estejam disponíveis na nuvem, elas precisam conectar com aplicativos locais, para executar a ação programada. 

O ideal é consumir as APIs de uma plataforma de gestão em nuvem, mantendo uma boa infraestrutura interna. Desse modo, é possível reutilizar esses elementos em outros projetos obtendo um ROI mais atraente.

#4 Acompanhar o desempenho das APIs

Ter visibilidade operacional em tempo real para monitorar desempenho da API é outra parte importante da estratégia. Além disso, é fundamental também acompanhar métricas de adoção e uso para avaliar o sucesso dos negócios do programa API.

Como cada interface de integração é formada por uma série de componentes, os desenvolvedores podem selecionar aqueles que melhor se encaixam em cada demanda. Por isso, garantir um bom monitoramento é tão importante. Analisando as métricas certas, você pode saber exatamente onde e como seu programa de API está tendo sucesso ou não. As métricas ainda podem ser exportadas e comparadas com dados externos, permitindo uma análise mais completa e profunda. 

#5 Considere a experiência do usuário

A experiência do usuário é decisiva para o sucesso da estratégia de APIs e de outras iniciativas focadas na transformação digital. Qualquer tipo de dificuldade, como a demora no carregamento de uma página pode impactar nas taxas de conversão. Portanto, se você usa muitas APIs e cada uma delas é composta por muitos componentes diferentes, você corre o risco de ter interrupções ou mesmo degradação do serviço. Tudo o que a empresa não precisa, não é mesmo?

Para fornecer uma experiência positiva ao usuário e satisfazer seus SLAs formais, você precisa ter uma visibilidade, uma imagem clara dos níveis de serviço esperados para diferentes partes da sua plataforma. Métricas e análises preditivas podem ajudá-lo a medir a experiência do usuário: essa mensuração é o ponto de partida para as melhorias.

#6 Defina processos de auditoria 

A partir da realização de auditorias periódicas, voltadas para a segurança interna ou para os requisitos regulatórios externos, é possível assegurar que os serviços sejam usados ​da maneira correta pelas pessoas certas e para os propósitos predefinidos.

Muito mais do que um ônus, a auditoria é, geralmente, um requisito básico e não negociável e, além disso, uma oportunidade de manter tudo na mais perfeita ordem. Portanto, priorize os processos de auditoria. 

#7 Invista em segurança

Por meio do uso das APIs, é possível assegurar a integração de sistemas, da infraestrutura local e do firewall para a nuvem, dos dispositivos móveis, e de várias comunidades de usuários internos e externos. As APIs possibilitam conexões antes impensáveis.

Contudo, você precisa investir em segurança para estar protegido e usar as interfaces de aplicação. O ideal é usar um gateway API no nível de infraestrutura, para controlar o acesso e proteger o fluxo de dados que atinge diferentes sistemas, aplicativos e pessoas.

Neste sentido, o marketplace da GR1D garante a tranquilidade de obter as melhores APIs para seguros de maneira prática e segura, permitindo um gerenciamento completo das interfaces de aplicação. Acima de tudo, mantendo a disponibilidade dos serviços para os usuários. 

#8 Facilidade na autenticação de usuário

Para manter a segurança no consumo de APIs, outro ponto importante é usar os padrões de identidade atuais, como OAuth 2.0, e buscar recursos como a chamada identidade federada.

Desse modo, você estabelece um logon único na nuvem, dispositivos móveis, aplicativos locais e no local, oferecendo a segurança como benefício ao contar com graus variados de autorização que levam em conta as preferências do usuário ou provedor.

Os botões "Login com Google" e "Login com Facebook" são exemplos de logon único feitos com APIs que usam padrões como OAuth e OpenID.

Sabendo disso, vale a pena incluir na estratégia de APIs a federação de identidade e logon único na infraestrutura. Dessa maneira, você centraliza o gerenciamento, melhora a experiência do usuário e garante um ambiente mais seguro.

Quer saber mais sobre transformação digital e outras tendências para o mercado de seguros? Continue acompanhando o Trends!