InovaçãoSegurosTransformação Digital

Mercado de seguros: o futuro da saúde!

Entre os anos de 2011 e 2017 o mercado de seguros não teve um crescimento considerável, principalmente nos períodos próximos a 2015, ano em que a crise econômica do Brasil mais afetou este setor econômico. 

Em compensação, após este mesmo intervalo de tempo, os seguros saúde e odontológicos registraram um grande progresso. Parece ser um cenário favorável de fortalecimento, porém a adesão a estes tipos de seguros depende sobretudo do emprego formal, um dos principais polos afetados durante a crise

O índice VCMH, Variação de Custos Médico-Hospitalares, é o aumento de custos cobrados pelos procedimentos, medicamentos e equipamentos hospitalares. O crescimento em torno dos seguros saúde são analisados por meio deste índice, porém os valores obtidos nem sempre são reais, já que o número de segurados continua caindo drasticamente, assim como o prêmio das seguradoras.

Mas nem tudo está perdido. As tecnologias para seguros trazidas pela transformação digital têm o grande potencial de virar este jogo. Além disso, as seguradoras e segurados já estão mudando sua mentalidade e passando a investir mais em prevenção para evitar a sinistralidade.

A seguir, vamos analisar como estão os seguros de saúde atualmente e o que está sendo feito para que este setor da economia volte a crescer de forma real.

Experiência do usuário nos seguros saúde

Ao mesmo tempo em que os índices dos seguros saúde parecem crescer anualmente, a sinistralidade também cresce na mesma proporção e o número de segurados diminui, levando a um falso otimismo.

Mas para que esta expectativa melhore, é necessário investir em algumas mudanças. E é aí que a tecnologia em seguros faz a diferença!

Segundo Renato Terzi, CEO da empresa GR1D Insurance, “Na geração de valor do segmento, note-se que o Seguro Saúde é o serviço financeiro de maior relacionamento entre o cliente e a operadora e bons serviços prestados geram disposição a consumo por parte dos clientes.”

Em outras palavras, quanto melhor for a experiência do cliente, mais dinheiro ele pode trazer de volta à companhia, seja em relação à divulgação para outras pessoas, feedbacks positivos ou até a fidelização que, a longo prazo, acarreta na redução de custos. 

A Unimed de Porto Alegre investe pesadamente na experiência do cliente desde 2016 e agora, em 2019, já começa a colher os louros. Com a análise de dados adquiridos por meio de uma forma de métrica, a companhia:

  • Traça perfis de usuários e, assim, oferece serviços personalizados;
  • Atua com mais proximidade do cliente a fim de executar atendimentos mais ágeis e proativos; 
  • Prioriza as ações de melhorias internas no atendimento a partir dos feedbacks dos clientes;
  • Cria medidas por meio dos resultados da pesquisa de satisfação capazes de transformar clientes neutros em fiéis e, assim, diminuir o número de insatisfação.

Além disso, a transformação digital também foi responsável pela popularização das insurtechs, que têm causado uma revolução tecnológica na experiência do cliente nos seguros saúde.

Os milhões investidos no mercado de seguros têm focado principalmente em:

  • Digitalização na comercialização dos planos de saúde e consequente eficiência na aquisição e atendimento de novos clientes;  
  • Emprego de soluções digitais que trazem eficiência operacional e agilidade no atendimento ao cliente e, por conta disso, redução de custos;

Mas as apostas para o crescimento do setor não ficam apenas por conta da experiência do cliente. As tecnologias para seguros também estão sendo utilizadas de outras formas muito inovadoras! 

Nova mentalidade de uso do seguros saúde

Como citado acima, uma das mudanças que devem acontecer nos seguros saúde é em relação à mentalidade do usuário no que diz respeito às medidas preventivas. 

Em vez de acionar o plano de saúde sempre que algum problema aparecer para então começar a tratá-lo, é muito mais econômico investir em ações que ajudem a evitar determinadas doenças comuns, como diabetes, hipertensão, colesterol alto, entre outros.

As seguradoras podem propor aos clientes programas com o objetivo de mudar hábitos, como incentivo à atividade física e alimentação saudável, saúde psicológica, anti-tabagismo, check-ups frequentes, etc.

O investimento em relação a estas medidas é benéfico tanto para as seguradoras quanto para os pacientes. As probabilidades dos clientes desenvolverem problemas levando uma vida saudável são muito menores e os check-ups regulares ajudam na detecção de doenças em estágio inicial e facilitam o tratamento. 

Um outro investimento que tem auxiliado e muito as seguradoras na redução de custos e na manutenção do bem-estar dos pacientes é o uso dos dispositivos em IoT. 

Atualmente eles têm sido usados de diversas formas, entre elas: 

  • Monitoramento remoto da saúde

Existem gadgets capazes de medir batimentos cardíacos, pressão arterial e temperatura corporal,. criando prontuários digitais em nuvem. Dessa forma os médicos podem acessar estes dados de qualquer lugar, facilitando o atendimento, se necessário, ou evitando possíveis consultas médicas e visitas desnecessárias ao pronto-socorro. 

  • Controle de medicamentos

Para pacientes já em tratamento, existem sensores capazes de medir índice glicêmico e avisar ao paciente que é hora de aplicar a insulina, por exemplo. Além disso, eles podem enviar alertas sobre o horário da medicação e auxiliar na leitura da bula e dosagem correta de cada uma delas.

Esta nova mentalidade preventiva e o uso da internet das coisas propicia um atendimento mais humanizado e individual aos beneficiários. Ao mesmo tempo, as operadoras de saúde ganham com redução de tratamentos e procedimentos médicos, menos filas e visitas a pronto-atendimentos, mais eficiência e produtividade.

As mudanças no setor de saúde já são uma realidade e o mercado de seguros só tem a ganhar com o investimento em tecnologia. 

As expectativas de crescimento das operadoras de saúde são muito otimistas, principalmente para aquelas que valorizam o atendimento ao cliente. Além disso, a nova mentalidade preventiva pode ser um investimento de baixo valor, mas de enorme ajuda na redução de custos e diminuição da sinistralidade a longo prazo.

Para mais conteúdos relevantes sobre a transformação digital no mercado de seguros, leia o blog da Gr1D Insurance!