InovaçãoSegurosTransformação Digital

Tecnologia para seguros: 4 tendências globais para seguros auto

Há uma década o termo insurtech foi cunhado para definir as startups que atuam no mercado segurador. De lá para cá, com o avanço da tecnologia para seguros e da transformação digital, essas empresas vêm se destacando. Elas protagonizam e impulsionam a inovação no setor de seguros.

Contudo, até mesmo esse movimento sofreu um recuo com a pandemia da COVID-19. Com o otimismo do investidor e a confiança do consumidor em stand by, as seguradoras estão enfrentando uma série de questões e desafios sem precedentes.

Globalmente, no primeiro trimestre de 2020, de acordo com a CB Insights, as insurtechs levantaram US$ 912 milhões em 96 negócios. O número representa uma queda de 54% no financiamento total em relação ao trimestre anterior.

Neste contexto, a CB Insights lançou a pesquisa Quarterly Insurance Tech Q1 2020, que mostra como as insurtechs estão tentando revolucionar o setor e identificar as tendências globais para seguros auto.

Neste post, apresentamos alguns dos principais tópicos do levantamento que apontam como a transformação digital está acontecendo nos seguros auto

Avance na leitura do artigo!


A tecnologia para seguros melhora a oferta de seguros auto

Com a popularização dos seguros auto, o mercado viu esse produto tornar-se altamente comoditizado, sendo oferecido por um enorme variedade de seguradoras, com todos os tipos de cobertura. A compra de seguro auto passou a ser influenciada pelo preço.

Contudo, o avanço da tecnologia para seguros trouxe novidades para o segmento. Um dos primeiros avanços foi a venda digital de seguros de automóveis nos sites das seguradoras ou em plataformas de comparação de preços. 

Com o amplo uso dos dispositivos móveis, o segmento de seguros entra em uma nova fase. Dados coletados em tempo real permitem, por exemplo, novos tipos de precificação, tomando como base os hábitos de direção de cada motorista. 

Muitas seguradoras criaram produtos baseados em telemática, enquanto outras desenvolveram modelos de negócios a partir dos dados fornecidos por essa tecnologia. 

Além dos seguros auto tradicionais, outras soluções, como o seguro de compartilhamento de carona e compartilhamento de carro, estão sendo criadas. Novos produtos para um novo tempo.


Tendências globais: 4 tecnologias usadas na oferta de seguros auto

À medida que a transformação digital avança, o uso das tecnologias disruptivas nos diferentes processos das seguradoras fica cada vez mais evidente. As novas soluções e tecnologias para seguros são incorporadas em diferentes processos. Da definição de preço, subscrição, marketing, comunicação de sinistro, reivindicação de seguro até à gestão de processos contábeis. 

A realidade das seguradoras e insurtechs vêm sendo transformada, proporcionando aos usuários uma experiência mais positiva e levando as empresas do segmento para outro patamar. Conheça, a seguir, as 4 tendências globais que estão orientando esse movimento de digitalização dos seguros


#1 Telemática 

Ao instalar um dispositivo telemático simples no carro, as seguradoras são capazes de coletar e analisar dados sobre o comportamento do motorista hábitos, desempenho do veículo e telemática preditiva.

Explorando essa tecnologia a seguradora pode recompensar todos os segurados com prêmios mais baixos, desde que eles se preparem para reduzir o risco ajustando o comportamento atrás do volante. Para grupos de alto risco, essa pode ser a diferença entre ganhar cobertura e não. 

Com esta tecnologia, o cálculo do prêmio ganha mais precisão, os processos de sinistro são mais ágeis e o marketing é direcionado, com ofertas que fazem sentido para aquele potencial cliente. 

Além de obter um perfil detalhado do segurado, viabilizado pela coleta de dados, a telemática incentiva o engajamento do segurado. Isso porque permite oferecer produtos adicionais e serviços de valor agregado, como a localização do veículo dentro de um estacionamento e os lembretes de manutenção.


#2 Internet das Coisas

Essa é uma tecnologia altamente disruptiva. A Internet das Coisas (IoT) traz uma série de possibilidades antes impensáveis. Que tal ver um drone auxiliando no acionamento do sinistro? 

Isso é possível porque os clientes usam sensores no veículo ou em um smartphone. Eles são capazes de detectar falhas no momento que estão ocorrendo. Dessa maneira, a seguradora pode enviar assistência imediata na estrada para clientes, após colisões e ameaças. Ela tem acesso rápido a detalhes críticos como localização, identificação do motorista e horário.

Os sensores também podem ser usados para monitorar os drivers dos veículos gravando aspectos como distração, fadiga e ausência de linguagem verbal no carro. Assim, é possível diminuir o número de acidentes causados ​​por erro de motorista. Mais segurança para todos.


#3 Uso inteligente de dados, inclusive de terceiros

O potencial do Big Data é imenso e já começou a ser explorado pelas insurtechs e seguradoras. Muitas estão usando, inclusive, dados de terceiros para incrementar processos e estratégias. 

A quantidade e a qualidade dos dados rodoviários, por exemplo, permitiu que as empresas do segmento tivesse uma visão mais clara sobre os riscos. Além disso, o acesso aos dados do governo e de autoridades locais também pode enriquecer a visão geral de risco local e de portfólio. 

Tais informações são usadas como métricas de risco para os processos de definição de preços e de subscrição. Desse modo, é possível melhorar a experiência do cliente, simplificando o acesso ao serviço, com menos perguntas. 


#4 Alteração nos hábitos de compra/usuário de veículos

A maioria dos clientes têm uma ideia precisa do que esperam de um seguro auto. Isso porque essa é uma solução comoditizada. Quem tem um carro, vai contratar um. O fato é que o perfil do consumidor não é um só. Para certos nichos existem oportunidades de criar novos produtos.

Seguindo o conceito de compartilhamento, a Mobilidade como Serviço (MaaS) é um modelo que está crescendo em muitas áreas metropolitanas. Neste caso, o uso do carro é consumido como um serviço. Sabendo disso, as seguradoras podem começar a desenvolver agora o ecossistema de seguros auto do futuro que começa no painel do carro.

A modalidade de seguro baseado no uso é outra oportunidade para as seguradoras. Desse modo, os motoristas podem escolher a política que melhor se adapta às suas necessidades.

Quer contratar o seguro por alguns dias para viajar? Ou por alguns minutos em uma cidade mais violenta? É possível!

Esse tipo de seguro começou a chegar no mercado brasileiro em 2019, com a publicação da Circular 592 da Superintendência de Seguros Privados (Susep). O documento flexibilizou o tempo de contratação do seguro de um ano para minutos. 

A novidade aqui já é um sucesso em países como os Estados Unidos, onde seguradoras e insurtechs atendem clientes com demandas específicas, e não apenas em contratos anuais. 

Essas são algumas das principais tendências globais em tecnologia para seguros auto. Quer saber mais sobre o tema? Continue acompanhando o Trends!