InovaçãoSegurosTransformação Digital

Transformação digital: como adotar ferramentas tecnológicas com sucesso

No post anterior, nossa ideia foi mostrar o que é transformação digital, o que significa para o ecossistema de seguros e qual é sua importância para as seguradoras. 

Já neste texto vamos falar sobre como as empresas que compõem o ecossistema de seguros podem começar a trazer a inovação para dentro de casa. E fazer isso imediatamente, com sucesso!

1. Como começar a transformação digital? 

Em primeiro lugar, adotar novas tecnologias sem incorporá-las aos objetivos de negócios da empresa não é uma transformação digital. O processo exige uma estratégia e uma mudança cultural que começam do topo da empresa e, em seguida, precisam ser difundida para o restante da organização. 

A transformação digital visa melhorar a eficiência no atendimento ao cliente e, por consequência, proporcionar-lhe uma boa experiência. 

As prioridades do ecossistema de seguros hoje são três: 

  • Aumentar a lucratividade; 
  • Elevar o envolvimento do cliente;
  • Lidar com as interrupções digitais que afetam seus modelos de negócios. 

Para alcançar suas metas, as seguradoras estão se voltando cada vez mais para a transformação digital

Veja, abaixo, quatro dicas para saber por onde começar a implementar uma estratégia de transformação digital:

#1- Analise o mercado detalhadamente

É preciso que a empresa comece verificando em que ponto está na curva da maturidade digital e compará-la com o ponto de maturidade em que se encontram seus concorrentes diretos e indiretos. Se antes a digitalização era encarada somente como recurso para reverter a perda de lucro, atualmente, a transformação digital representa uma oportunidade de crescimento.

#2- Avalie o estado atual da sua empresa

Nesta etapa, faça uma avaliação exaustiva para descobrir o quanto sua empresa é digital ou analógica. Esta análise abrange produtos, serviços e ativos. Você precisa descobrir quanto esforço financeiro e de recursos humanos precisará para digitalizá-la. 

A partir daí, planejar os cenários para a mudança, analisando pontos fortes e fracos e necessidades do mercado. Isso vai ajudar a encontrar possibilidades financeiramente sustentáveis para iniciar o processo de digitalização.

#3- Coloque-se no lugar dos seus clientes 

Conheça seu cliente e perceba como eles interagem com o mercado de seguros, o que precisam e que tipo de soluções procuram. Com base nisso, fica mais fácil direcionar a oferta e acrescentar-lhe valor. 

Você deve encontrar formas de chegar aos seus clientes por meios digitais. A comunicação digital é cada vez mais o canal de comunicação preferido dos consumidores. Este mapeamento possibilita desenvolver estratégias de segmentação mais eficazes para atender eficazmente os consumidores.

#4- Defina uma estratégia com datas e ações específicas

Depois de analisar todos os aspetos relativos ao mercado e a própria empresa, a próxima etapa é utilizar os dados para traçar um plano estratégico, onde constem todas as fases da transformação digital a ser aplicada na empresa. 

Deve dar-se prioridade aos pontos fracos em relação à concorrência e utilizar os pontos fortes da empresa para se destacar.

2. Os benefícios da transformação digital

Uma das principais tendências em seguros é o uso de ferramentas tecnológicas e de automação. O Instituto Gartner prevê que, até 2020, mais de 26 bilhões de dispositivos estejam conectados à Internet.

A IoT é uma rede de dispositivos que coleta, monitora e compartilha informações por meio da internet. Estes dispositivos conectados incluem diferentes objetos referentes ao mercado de seguros como veículos, sistemas de segurança doméstica e até em planos de saúde.

Veja, abaixo, alguns exemplos de aplicações tecnológicas que transformaram a relação entre as seguradoras e seus clientes e as suas vantagens:

  • Internet das Coisas (IoT) e Analytics

No seguro automotivo, por exemplo, dispositivos de telemetria implantados em veículos podem enviar os dados coletados às seguradoras.

Com estes dados, os bons condutores podem conseguir descontos, reduzindo os riscos de acidentes e minimizando fraudes e sinistros.

Em seguros residenciais, sensores instalados nas residências podem se conectar aos smartphones. Assim o usuário pode controlar alarmes a distância e monitorar a movimentação de pessoas no local. Isso aumenta a segurança e reduz a possibilidade de roubos e outros riscos à propriedade.

O seguro de vida pode contar com sensores biométricos e smartwatches para monitorar os sinais vitais do usuário, oferecendo informações personalizadas.

A captura destes dados dos clientes permitem que a seguradora identifique riscos em determinados perfis de cliente. Além disso, podem otimizar o preço do produto, descobrir novos riscos que surgem ao cruzar dados, detectar e reduzir fraudes.

  • Inteligência artificial, blockchain e o futuro do seguro

Enquanto o maior impacto nos negócios seja a nuvem, o mercado de seguros vê a inteligência artificial e a blockchain representando papéis importantes e em evolução no futuro. Como empresas que investem em relacionamento, o ecossistema de seguros vai se beneficiar da inteligência artificial e do aprendizado de máquina pode para aprimorar o atendimento e a experiência do cliente.

3. Transformação digital inova a indústria de seguros

Segundo levantamento feito pela consultoria Accenture, o mercado de seguros adotou a transformação digital muito em função do aparecimento de novos concorrentes, como insurtechs

Veja um resumo do relatório:

  • Em cinco anos, quase todos os executivos de seguros da pesquisa esperam que o setor seja transformado por tecnologias digitais.
  • As seguradoras adotaram essa transformação digital, investindo estrategicamente e planejando inovações tecnológicas a longo prazo.
  • O mercado de seguros está se beneficiando da tecnologia em nuvem agora, mas os executivos esperam que a inteligência artificial e a blockchain tenham um papel maior nos próximos anos.
  • Para transformar o valor total de seus investimentos em tecnologia, as seguradoras ainda deverão superar obstáculos relativos à falta de colaboração em TI e à carga dos sistemas legados.

A hora é agora para o mercado de seguros estimular uma visão global sobre as tendências em inovação, engajando clientes antigos e captando novos usuários para os seus serviços. Continue ler o blog, principalmente o póximo post, que abordará os desafios e erros da transformação digital no ecossistema de seguros.